Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
MANIFESTO EM DEFESA DO SEBO GREGAS E TROIANAS

MANIFESTO EM DEFESA DO SEBO GREGAS E TROIANAS

1,923 assinaram. Vamos chegar a   2,000
1,923 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por Haroldo C. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
Haroldo C.
começou essa petição para
Livreiros, sebistas, editores, autores, bibliotecários e leitores
Nós, livreiros, sebistas, editores, autores, bibliotecários e profissionais do livro e leitura, prestamos aqui nossa solidariedade ao casal Luciano Gonçalves e Mariângela Ribeiro, donos de sebo Gregas e Troianas, que estão sendo processados peo bispo Edir Macedo no que consideramos um gesto de intolerância política e autoritarismo.

Na vitrine do pequeno sebo na cidade de Resende-RJ, Luciano e Mariângela colocaram um banner em que convidavam racistas, machistas e homofóbicos a entrar, pois ali havia uma casa que prezava a cultura e a inteligência. Era, portanto, um espaço disposto a oferecer ajuda a quem estivesse disposto a livrar-se dos preconceitos. O texto do banner também expandia o convite a "pessoas que não consideram a obra de Jair Bolsonaro, Silas Malafaia e Edir Macedo uma vergonha para a humanidade".

A provocação crítica e bem humorada do casal foi respondida com a perseguição judicial, em que o líder religioso pede uma indenização de 25 mil reais e uma retratação, a nosso ver, descabida.

Consideramos tal pedido uma afronta à liberdade de expressão e uma tentativa de usar o poder judiciário para calar os que resistem ao discurso intolerante. Uma simples busca no Google encontrará manifestações muito mais agressivas do líder da Igreja Universal e de outros dirigentes desta religião contra as chamadas minorias.

Assim sendo, pedimos que a justiça rejeite qualquer tentativa de intimidação àqueles que trabalham, apesar de todas as dificuldades, pelo livro e pela leitura, como é o caso de Luciano e Mariângela.

Esses lutadores da cultura já enfrentam o desafio de trabalhar pela difusão de livros e ideias num país que ainda sofre com altas taxas de analfabetismo e analfabetismo funcional, além da crescente onda de preconceito contra o saber e a inteligência.

Assinaturas iniciais deste manifesto
Aldo Bocchini Neto, sebista
Carlos Emilio Faraco - prof., autor de obras educacionais
Cristina Warth, editora
Daniel Louzada, livreiro
Daniel Rodrigues Aurélio, mestre em Ciências Sociais-PUCS, editor e escritor
Felipe Lindoso - editor
Fernando Carvall, ilustrador e designer
Galeno Amorim, jornalista e editor
Gilberto Maringoni, professor de RI da UFABC
Guilherme Werneck, jornalista
Haroldo Ceravolo Sereza, editor e jornalista
Ivana Jinkings, editora
Joana de Moraes Monteleone, historiadora
José Castilho Marques Neto, editor e ativista
Lizandra Magon de Almeida, jornalista e editora
Luiz Benedicto Lacerda Orlandi, professor
Maria José Silveira - escritora
Raquel Menezes, editora e presidente da Libre
Regina Drummond, escritora
Rogério de Campos, editor