Vitória! ONU reconhece o Estado da Palestina

Às lideranças européias e todos os países-membros da ONU:

Pedimos-lhes que endossem a proposta legítima de reconhecimento do Estado palestino e a reafirmação dos direitos do povo palestino. Chegou a hora de reverter décadas de fracasso nas negociações para a paz, acabar com a ocupação e buscar uma paz baseada em dois Estados.
 
Você já é um apoiador da Avaaz? só precisa preencher seu email e clicar "Enviar"
Primeira vez aqui? Por favor preencha o formulário.
Avaaz.org vai proteger sua privacidade e lhe manter atualizado sobre essa e outras campanhas semelhantes.

Postado:  12 novembro 2012
Se você já assinou a petição por favor envie uma mensagem urgente abaixo:

Enquanto as bombas caem sobre Gaza, palestinos e israelenses estão à beira de começar mais um ciclo de violência e vingança. Mas, neste momento, a Autoridade Palestina está preparando uma proposta para a ONU, que poderá ser a melhor alternativa para a paz. Vamos ajudá-los a vencer.

Enquanto a população do sul de Israel vive com medo dos disparos de foguetes, o povo de Gaza vive sob cerco, preso em um trecho minúsculo de terra. E, na Cisjordânia, as pessoas são expulsas de suas terras por assentamentos ilegais; os doentes têm que esperar horas em postos de controle israelenses no caminho para o hospital, e famílias são divididas por um muro enorme que corta seus territórios. Mas, se os palestinos tiverem sua proposta pela criação de seu estado aceita pela ONU agora, isso poderá dar início ao fim de 40 anos de ocupação, e abrir o caminho para que dois Estados, Palestina e Israel, vivam lado a lado em paz e segurança.

Os EUA e Israel estão tentando tudo o que podem para destruir a votação da ONU. Mas a Europa ainda está em cima do muro e os ministros de Relações Internacionais da UE irão se reunir dentro de apenas 48 horas. Se todos nós nos manifestarmos agora, poderemos convencer a Europa a votar pelo "sim" para a paz e liberdade. Clique para abafar os bloqueadores com nossas vozes esperançosas através de uma petição que será entregue com uma enorme bandeira do tamanho de um prédio de 5 andares do lado de fora da reunião dos ministros (foto acima).

França (Presidência): +33 1 42 92 81 00
ou envie uma mensagem usando o formulário aqui

Alemanha (Ministério de Negócios Estrangeiros): +49 (0) 3018-17-2000 (Serviço ao público, 9-15 horas)
ou envie um email: [email protected]

Espanha (Presidência): +34 91 335 35 35
ou envie uma mensagem usando o formulário aqui

Reino Unido (Ministério de Negócios Estrangeiros):
Por favor envie um email: [email protected]

Aqui estão algumas informações sobre porquê a proposta palestina na Assembléia Geral da ONU é a nossa melhor chance para a paz. Por favor, use-as como um guia quando você ligar ou escrever a sua mensagem:

JÁ CHEGA
  • já são décadas de ocupação e repressão por parte de Israel em cima do povo palestino
  • durante anos os EUA e Israel têm retido processos para a paz que conduziram apenas a mais colonização ilegal de terras palestinas
  • os EUA e Israel não devem incentivar o resto do mundo a votar "não" para o que é moralmente certo
APOIE O VOTO DO MUNDO
  • é a vez da Palestina - esta é uma legítima, não-violenta e diplomática proposta, que merece todo o apoio da Europa
  • Nações Unidas, Banco Mundial e FMI dizem que os palestinos estão prontos para governar seu próprio estado
  • a maiorias de pessoas em toda a Europa e 2/3 dos líderes mundiais já apoiam um Estado palestino
Lembre-se de ser educado - nós vamos ser muito mais convincente se formos razoáveis ​​e cortêses.

Espanha, França, Alemanha e Reino Unido ainda estão em cima do muro. Use os pontos de discussão à esquerda para escrever uma mensagem nas páginas do Facebook desses líderes. Ou copie a mensagem abaixo e clique nos links abaixo para colá-lo em suas páginas:



Clique para ir para a página de François Hollande


Clique para ir para a página de Sec. Hague


Clique para ir para a página de Westerwelle


Clique para ir para a página de Rajoy




Clique abaixo para mandar um tweet para os tomadores de decisão da Espanha, França, Alemanha e Reino Unido:





Clique para copiar: